Desde 2014, mais de 47000 artigos.
,/2020

Adiado julgamento de dupla que espancou rapaz até a morte

Polícia
19 de setembro de 2019

David (esquerda) e Giovane são julgados nesta quinta (Foto: Arquivo)

Foi adiado o julgamento do pintor Giovane Bruno Caroccia e do garçom David Pereira Vieira. Eles são acusados de matar o pedreiro Tiago Rodrigo de Santana, de 27 anos, que foi esfaqueado e espancado com pauladas até a morte.

O julgamento teria inicio às 9h30, porém foi adiado após o advogado de defesa de um dos acusados pedir dois exames.

O advogado Carlos Eduardo Thomé, que defende Giovane, pediu exames de dependência toxicológica e insanidade mental para o cliente. Somente Giovane passará pelos exames, mas foi adiado o julgamento dos dois acusados.

“O júri será provavelmente redesignado para fins de novembro ou dezembro. O outro advogado de defesa [de David] concordou com meu requerimento. Essa decisão foi tomada antes de constituir o conselho de sentença”, informou o advogado ao Marília Notícia.

Segundo a denúncia do Ministério Público (MP) no dia 6 de setembro de 2016, por volta de 15h13, na rua Manoel Matias, no Núcleo Habitacional Maria Angélica Matos, na zona Sul da cidade a dupla matou a vítima com emprego de meio cruel e tentaram ocultar o cadáver de Tiago.

A denúncia diz que a vítima teria supostamente subtraído bens pertencentes ao irmão de David, o que aborreceu os acusados, que teriam decidido matar o pedreiro.

Assim, eles foram à residência da vítima e, sem que pudesse prever o ataque e se defender, desferiram-lhe repetidos golpes com ripas de madeira e com uma barra de ferro, além de três facadas contra seu pescoço.

Em seguida, os dois embalaram o cadáver de Tiago com lençol, cobertor e corda, e só não conseguiram ocultá-lo porque foram surpreendidos por policiais militares que chegaram ao local por meio de denúncia anônima.

As viaturas da Polícia Militar foram acionadas após vizinhos ouvirem os gritos de socorro de Tiago.

De acordo com as informações registradas na época no Boletim de Ocorrência, os militares flagraram os dois suspeitos saindo da residência. Eles se assustaram, tentaram fugir pulando muros dos imóveis vizinhos, mas foram detidos metros depois.

Local do crime (Foto: Leonardo Moreno/Arquivo)

(Foto: Leonardo Moreno/Arquivo)