Desde 2014, mais de 48000 artigos.
,/2020

Menina Emanuelle, assassinada na região, é sepultada sob forte comoção

Regional
14 de janeiro de 2020

Emanuelle foi morta a facadas (Foto: Arquivo Pessoal)

A menina Emanuelle Pestana de Castro, de apenas oito anos, foi encontrada morta na noite desta segunda-feira (13). Ela estava desaparecida desde a última sexta-feira (10), quando foi vista brincando em uma praça na cidade de Chavantes (distante 112 quilômetros de Marília), na sexta-feira (10).

O corpo da garota foi localizado por volta das 23h, em uma área de mata na Fazenda Santana Nova, zona rural do município da região. O acusado pelo crime, Aguinaldo Guilherme Assunção, de 49 anos, confessou, durante depoimento à polícia, que matou a menina por vingança contra a família da vítima. Ele morava próximo da casa da menina.

A polícia foi até o local indicado por Aguinaldo e após horas de buscas encontrou Emanuelle morta ao lado de um córrego.

Aguinaldo confessou que matou Emanuelle (Foto: Divulgação)

13 facadas

Aguinaldo contou à polícia que matou por vingança, já que a mãe dela não deixava a menina brincar com o enteado dele.

O corpo da criança foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), onde um exame de corpo de delito vai esclarecer se houve abuso sexual. Aguinaldo foi preso e encaminhado para uma cadeia da região.

Foram identificadas marcas de faca pelo corpo. A princípio a polícia havia dito que seria uma nas costas e três no peito, porém o laudo apontou que ao todo foram 13 ferimentos, sendo oito nas costas e o restante no peito.

Após levantar imagens de circuito de monitoramento ao redor da praça onde Emanuelle brincava quando desapareceu, a polícia descobriu que Aguinaldo aparecia duas vezes no vídeo. No mesmo dia, ele aparece cada vez com uma roupa diferente.

O homem foi interrogado nesta segunda e em um primeiro momento negou saber qualquer informação sobre o desaparecimento da menina, porém mais tarde acabou confessando o crime.

Emanuelle foi sepultada sob forte comoção na tarde de hoje, no Cemitério de Irapé, distrito de Chavantes.