Desde 2014, mais de 44000 artigos.
,/2020

Julgamento de acusados de homicídio é adiado

Polícia
14 de fevereiro de 2020

O julgado dos irmãos Jean Carlos Aparecido da Silva Gomes e Jamerson Denis da Silva Gomes foi adiado nesta quinta-feira (13). Eles são acusados de matar Guilherme Almeida da Silva, de 21 anos, em 2017. O júri estava marcado para começar às 13h.

O adiamento aconteceu porque a defesa dos réus pediu um exame de verificação de dependência toxicológica para a dupla. Não existe uma previsão de quando os laudos devem ficar prontos. Uma nova data para o julgamento será agendada logo após.

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), no dia 29 de janeiro daquele ano, por volta de 3h, nas proximidades da Rua Farid Dabus, no bairro Triste Cavichioli, zona Norte, os irmãos mataram a vítima, “impelidos por motivo torpe”.

A denúncia narra que os acusados possuíam desavença com Guilherme em decorrência de dívida de drogas e teriam decidido matá-lo.

Na data dos fatos, Jean e Jamerson, acompanhados de uma terceira pessoa, utilizavam um veículo escuro, de propriedade de Jean, quando encontraram a vítima andando pela via pública.

Eles pararam o veículo, Jamerson desceu e passou a agredir fisicamente Guilherme. Na sequência, Jean passou a golpear a vítima com uma faca atingindo a região lombar esquerda, braço esquerdo e próximo da axila esquerda.

Guilherme foi socorrido, mas faleceu após ficar pouco mais de três semanas internado no Hospital das Clínicas de Marília.

Jamerson Denis da Silva Gomes foi preso no dia 17 de março de 2017, pela Força Tática, na Vila Barros, zona Norte de Marília.

Na data da prisão, os policiais encontraram com Jamerson 72 pinos com cocaína, sete porções de maconha e microtubos vazios.

 Jean Carlos Aparecido da Silva Gomes, foi preso em 21 de junho de 2018, também na Vila Barros, pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

Ele estava foragido há mais de um ano e os policiais localizaram Jean dormindo em um imóvel onde foram localizadas 615 porções de cocaína e 796 porções de maconha, além de R$ 842 oriundos do tráfico.