Desde 2014, mais de 71000 artigos.
,/2022

Farmácia de Pompeia enfrenta falta de medicamento

Regional
31 de maio de 2022

Falta é registrada na farmácia de Pompeia (Foto: Divulgação)

O Departamento de Higiene e Saúde (DHS) de Pompeia (distante 31 quilômetros de Marília) têm registrado falta de medicamentos na Central de Medicamentos Municipal, após a alta dos casos de síndromes gripais e outras doenças respiratórias.

“Quando a população nos procura e o remédio está em falta, a gente busca ajudar e substituir por outro, junto à farmacêutica responsável e ao corpo médico da rede municipal de saúde, mas e o que não tem substituição?”, questiona a coordenadora da Central, Marta Chichetti.

Uma lista divulgada pelo Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) aponta 43 medicamentos que estariam em falta em todo o Estado.

Entre eles antibióticos, antidepressivos, analgésicos e anti-inflamatórios, por exemplo, Amoxicilina/Clavulanato, Pantoprazol, Esomeprazol, Ambroxol xarope, Clopidogrel 75mg, Diosmina/Hesperidina, Hixizine xarope, Fluticasona 27,5mcg spray nasal, Quetiapina 25mg, Escitalopram 15mg, Saccharomyses e Glicazida 60mg.

Já na rede privada, antibióticos para criança à base de Amoxicilina, xaropes para tosse – também para crianças – Dipirona xarope, Prednisolona infantil, dentre outros, também apresentam as mesmas dificuldades de comercialização.

De acordo com o superintendente do DHS, Adalberto Bento, o desabastecimento reflete a alta na procura pelos fármacos registrada nos últimos meses, gerando escassez e, junto a tudo isso, a falta no envio de insumos ao fabricante.

“O Brasil inteiro está passando por um problema estrutural de capacidade de produção e depende das importações dos medicamentos ou da matéria-prima, que é o insumo ou princípio ativo, ingrediente responsável na produção do remédio que vai para a prateleira, mas devido aos lockdowns pelo mundo por causa da Covid-19, e agora com a guerra na Ucrânia, estes fornecimentos foram afetados”, explica.

O aumento de casos de gripe, as infecções pelo coronavírus que voltaram a crescer no Brasil, além da alta procura por medicamentos das mais diversas especialidades também são apontados como motivos para o desabastecimento.

“Houve uma maior demanda por determinados fármacos já no início deste ano. Problemas pontuais que nos deixam nas mãos dos fabricantes e fornecedores que já foram notificados, sinalizando estarem atentos ajustando sua produção e logística para atender nossas demandas”, completa Bento.

Aumento de doenças fez com que remédios ficassem escassos (Foto: Divulgação)