Desde 2014, mais de 49000 artigos.
,/2020

Câmara cobra Alckmin sobre reorganização escolar

Cidade
13 de novembro de 2015
REORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS 04112015

Plenária contou com participação de estudantes, professores e pais (Foto: Mauro Abreu)

Comissão especial composta pelos vereadores Sônia Tonin (PSC), Luiz Eduardo Nardi (PR) e Cícero do Ceasa (PT) elaborou documento cobrando explicações da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo sobre a reorganização das escolas estaduais a partir do próximo ano letivo.

Documento foi redigido após realização de plenária no último dia 4, que contou com as presenças de professores da rede estadual, estudantes, mães de alunos, servidores estaduais da Educação, lideranças sindicais e pesquisadores, a exemplo do professor universitário Giovani Alves.

Representantes da Apeoesp, o sindicato dos professores estaduais, também compareceram.  O vereador Luiz Eduardo Nardi abriu a plenária lendo o documento enviado para o Poder Legislativo pela dirigente regional de ensino, Ivanilde Elias Zamae, responsável pelas mais de 60 escolas estaduais da região. “Lamentamos a ausência da plenária da dirigente, que se limitou a responder por escrito sobre assunto tão importante”, frisou.

“A Câmara de Marília é onde se concentram os representantes da comunidade, os eleitos pelo povo e num momento tão delicado como este que estamos vivendo em Marília, que esta imposição por decreto, imposta de cima para baixo através do governo Alckmin em relação à educação, propondo esta reorganização que até agora ninguém sabe direito a que veio. Percebemos que em Marília a zona Sul é a mais castigada, os alunos da zona Sul, com certeza, estarão numa situação complicada, principalmente de transporte, de locomoção até as escolas”, analisou a vereadora Sônia Tonin.

A parlamentar citou o depoimento de uma mãe que compareceu à plenária. A mãe disse que a distância poderá ser responsável pela evasão escolar de muitos alunos, desestimulando a frequência dos estudantes. “Centenas de alunos terão que percorrer até cinco quilômetros para chegar em sua sala de aula e isto nós não podemos admitir”, afirmou a vereadora.

Sônia Tonin reforçou que existe uma mobilização dos vereadores de Marília contra o decreto da reorganização que resultou em fechamento de 94 cidades em todo o Estado de São Paulo.

Em Marília, o decreto alterou o funcionamento das escolas José Alfredo de Almeida, Maria Cecília, Silvia Ribeiro de Carvalho, Antônio de Baptista e Baltazar de Godoy, segundo estudo apresentado pela Apeoesp regional de Marília.

Já no Estado, 754 unidades passarão a atender apenas um de três ciclos de ensino (Fundamental 1 e 2 e Médio).  “Sou educadora há mais de 30 anos e vejo como salutar a participação da comunidade nesta mobilização para que possamos conseguir reverter os efeitos deste despacho estadual”, disse.

Através de documento que será enviado ao secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, e ao Palácio dos Bandeirantes – sede do governo estadual – a comissão especial da Câmara de Marília deseja que seja revertido o processo de reorganização das escolas estaduais localizadas na cidade de Marília.