Desde 2014, mais de 39000 artigos.
,/2019

Bauru inaugura 8º Ecoponto enquanto Marília segue sem nenhum

Cidade
14 de agosto de 2019

Sem Ecopontos, áreas de descarte irregular proliferam em Marília (Foto: Leonardo Moreno/Arquivo)

Enquanto Marília sem nenhum Ecoponto, a Prefeitura de Bauru (distante 108 quilômetros) acaba de inaugurar a sua oitava unidade e tem planos para entregar mais uma até o final deste ano.

São áreas públicas onde os cidadãos são autorizados a descartarem de forma adequada entulho, móveis e outros produtos inservíveis volumosos.

Sem isso, Marília vem sofrendo com dezenas de áreas clandestinas de despejo e sendo alvo de multas ambientais – dois problemas frequentemente denunciados pelo Marília Notícia, assim como a falta de ecopontos.

Em Bauru o limite de materiais permitido por descarte nos ecopontos é de um metro cúbico – aproximadamente uma carroceria de picape.

O novo ecoponto de Bauru conta com caçambas para depósito de materiais, espaço coberto para armazenamento de objetos que acumulam água e uma parte administrativa.

Novo Ecoponto de Bauru; até o fim do ano cidade deve receber um nono dispositivo (Foto: Divulgação)

Esperança

Após muita cobrança da sociedade civil durante anos, no mês passado duas empresas foram finalmente contratadas pela Prefeitura para a construção desse tipo de dispositivo em Marília.

A Replan Saneamento e Obras Ltda e a Bianchini Engenharia e Construções ME foram classificadas como primeiras colocadas nas licitações para criação de quatro ecopontos.

Cada uma das licitações vencidas pela Replan custarão R$ 110.199,73. Já os certames em que a Bianchini foi campeã terão o custo R$ 109.207,27. Ao todo os ecopontos custarão R$438.814,00.

A pós a ordem de serviço o prazo para entrega das obras é de 270 dias.

Moveis velhos e outros inservíveis são abandonados na via pública (Foto: Leonardo Moreno/Arquivo)

Entenda

Em 2017 o governo Daniel Alonso (PSDB) sinalizou que pretendia colocá-los em funcionamento até o fim daquele ano, o que não aconteceu.

Em março deste ano o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) mandou anular um edital, que já estava suspenso desde o começo do ano, para a construção de ecopontos em Marília.

Antes disso tudo, a administração municipal tentou em vão contratar empresas para construir quatro dispositivos desse tipo.

Em agosto do ano passado não apareceram empresas interessadas no serviço que custaria R$ 470 mil para o município. As licitações terminaram revogadas meses depois.