Desde 2014, mais de 41000 artigos.
,/2019

Alunos de Engenharia Civil da Católica visitam obra da ETE

Cidade
19 de novembro de 2019

Grupo foi recepcionado no auditório do Paço Municipal pelo prefeito Daniel Alonso e no local pelo engenheiro da Replan, Adalberto Valente. (Foto: Mauro Abreu)

Um grupo de 15 alunos do curso de Engenharia Civil da Faculdade Católica Paulista, supervisionada pela professora Ana Patrícia Aranha de Castro, visitou na manhã desta segunda-feira, dia 18, a obra da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) da bacia do Pombo, na região oeste da cidade.

Antes de irem até o local, os alunos e a professora foram recepcionados pelo prefeito Daniel Alonso no auditório do 2º andar do Paço Municipal, onde receberam todas as orientações técnicas sobre a realização e o funcionamento da obra.

Na ETE da bacia do Pombo, o grupo foi recebido pelo engenheiro da Replan, Adalberto Valente, que foi o responsável técnico pela obra, recebendo todas as informações do processo de funcionamento, através do assessor de gabinete, Fábio Conti.

(Foto: Mauro Abreu)

A professora Ana Patrícia Aranha de Castro destacou a importância da visita. “Quando a gente entra com um conteúdo em sala de aula e consegue trazer o aluno para a realidade da futura vida profissional dele é extremamente importante. Em sala de aula a gente vê teoria e você conseguir aliar com a prática na engenharia hoje é fundamental. A faculdade é um guia teórico do que o aluno tem que saber para se formar como engenheiro e a prática em ver como funciona é extremamente relevante. Só temos que agradecer à Prefeitura pela oportunidade de mostrar esta grande obra para os nossos alunos.”

Ana Patrícia falou também sobre a obra da ETE. “Podemos constatar que a obra foi muito bem executada, com materiais de grande qualidade. Sem dúvida é um grande ganho para a cidade, pois vai melhorar a saúde e a qualidade de vida das pessoas. Era uma demanda antiga de Marília e que agora virou realidade.”

A Faculdade Católica Paulista fica na avenida Cristo Rei, 305, no bairro Banzato, na zona leste da cidade.

MAIS VISITAS

Outras três visitas à obra da ETE do Pombo já estão agendadas, sempre ocorrendo a partir das 8h30. A próxima visitação acontece na quarta-feira, dia 20, com 30 alunos do Colégio Assembleiano. No dia 25 está confirmada a visita de 30 alunos da Escola Estadual Edson Vianei Alves à obra. E dia 27 será a vez de 30 alunos do CEEJA irem ao local.

(Foto: Mauro Abreu)

AS BACIAS

A bacia do Pombo recebe 209 litros por segundo e atende uma população de 47 mil pessoas das zonas Oeste e Norte. Já a Bacia do Barbosa atenderá 85 mil pessoas do Centro e Zona Sul com 231 litros por segundo de esgoto.

Já a bacia do Palmital, que será construída nas proximidades do distrito de Dirceu, vai atender uma população de 109 mil pessoas das zonas Leste e Norte. A nova bacia vai receber por segundo cerca de 270 litros de esgoto e será responsável por tratar os outros 30% do esgoto da cidade.

COMO FUNCIONA A ETE

(Foto: Mauro Abreu)

O funcionamento da ETE é dividido em sete etapas:

1. Gradeamento – O esgoto que vem das residências contém em média 1% de matéria orgânica e 99% de água. A primeira etapa do tratamento é a retenção de materiais grosseiros, como lixo, em um sistema formado por grades.

2. Desarenação – Na caixa de areia mecanizada, é feita a remoção dos sólidos presentes no esgoto, como areia, pedras, e detritos sólidos de pequeno tamanho, que passaram pelo gradeamento.

3. Geração de Ar Difuso – Três geradores de ar difuso importados produzem o ar que será injetado nas lagoas de aeração, em alta pressão. O sistema é considerado rápido e eficiente, pois potencializa a proliferação de microrganismos que consumirão a matéria orgânica do esgoto, acelerando o processo biológico devido à utilização do ar difuso. O ar pode atingir uma alta temperatura que pode chegar a 100 graus.

4. Lagoas de Aeração – Já sem sólidos visíveis, o esgoto é enviado para o tratamento biológico na lagoa de Aeração. Lá, ele é exposto à ação de microrganismos que promovem a degradação do esgoto e condensam em flocos, a matéria orgânica, que até então estava dissolvida no esgoto. Nesta etapa são feitas verificações das características do esgoto para adequação do processo de tratamento, tais como a quantidade de ar para a flotação das partículas e a separação da água dos flocos resultante desta primeira etapa de tratamento.

5. Lagoas de Decantação – Após o tratamento biológico, o líquido resultante do processo é submetido a um processo de decantação. Os flocos formados vão para o fundo das lagoas, separando-se da parte líquida, que já está livre de impurezas. No fundo estes flocos se juntam a outros, formando o lodo.

6. Leito de Secagem – O lodo produzido durante o processo de decantação será retirado do fundo das lagoas, desidratado, colocado para secar no leito de secagem e posteriormente será transportado para um aterro sanitário especializado. O material após seco pode ser utilizado em diversas aplicações, desde a construção civil, adubo ou ser descartado em aterro sanitário sem provocar danos ao meio ambiente.

7. Devolução do Esgoto Tratado ao Meio Ambiente – O esgoto tratado é devolvido ao meio ambiente com aproximadamente 99% de pureza. Apesar de não ser potável, a água resultante do processo pode ser utilizada como água de reuso para lavagem de vias e praças públicas, irrigação, ou devolvida aos rios e córregos, sem poluir o meio ambiente, pois seu tratamento possibilita esse retorno à natureza sem nenhum tipo de degradação ou dano ambiental.

 

(Foto: Mauro Abreu)

(Foto: Mauro Abreu)