Desde 2014, mais de 27000 artigos.
,/2018

Aconteceu? Tá no MN! #11

Geral
11 de julho de 2017

Eu não

O vereador José Luiz Queiroz (PSDB) tratou logo de desmentir que tenha intenções para se candidatar a deputado estadual em 2018. Algumas pessoas andaram especulando a possibilidade nas últimas semanas. “Reforço minha posição desde sempre: o meu candidato a deputado estadual para 2018 é o amigo e vereador Delegado Wilson Damasceno. Defendo também que o PSDB Marília lance chapa completa: estadual e federal”, disse Queiroz.

Cuidado Zé

Acho uma ótima ideia o nome de José Luiz Queiroz para qualquer vaga. Não concordo com todas opiniões dele, mas o novo político é bem coerente. O problema é que já andam querendo fritá-lo na Prefeitura. “Fogo amigo” e o “Santo do pau oco” foram algumas das expressões que este colunista ouviu sobre o vereador que vem se destacando. Isso acontece porque ele fiscaliza tudo. “Fiscalizar o Poder Executivo não tem nada a ver com ser oposição. Fiscalizar como o prefeito usa o nosso dinheiro é obrigação do vereador”, disse em postagem no Facebook. Se cuida Zé!

Jogo político

A maioria dos candidatos a deputado estadual e federal por Marília não tem chances de se eleger. Quem conhece minimamente a política sabe disso. A candidatura dos ‘sem chance’ serve basicamente para duas coisas: projetar o nome para as próximas eleições municipais, onde se chega, em tese, mais forte; ou atrapalhar a vida de outros candidatos, conseguindo tirar votos desses concorrentes.

A verdade dói

A grande verdade é que hoje em Marília somente dois nomes tem chance na esfera federal: Walter Ihoshi (PSD), o favorito para uma vaga, e o ex-prefeito Vinícius Camarinha (PSB). O caso de Vinícius já é mais complicado, ele saiu muito ‘queimado’ da administração municipal. Não acho que consiga a vaga (só se gastar muito dinheiro). O patriarca da família, Abelardo Camarinha (PSB), deve tentar a reeleição como candidato estadual. Ele tem uma base fiel e significativa de eleitores que, gostem ou não, é preciso respeitar.

E-commerce

O faturamento real (já descontada a inflação) do comércio eletrônico na região de Marília atingiu R$ 64,3 milhões no primeiro trimestre de 2017, queda de 13,9% em relação ao mesmo período do ano anterior. No acumulado dos últimos 12 meses, as vendas caíram 23,8%. É o pior desempenho, nessas duas bases de comparação entre as 16 regiões analisadas pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) em parceria com a Ebit.

E-commerce 2

O número de pedidos no primeiro trimestre do ano ultrapassou 156 mil, alta de 3,9% em relação ao mesmo período de 2016. O tíquete médio recuou 17,1% ao passar de R$ 494,59 no ano passado para R$ 410,03 nos três primeiros meses de 2017. A participação do e-commerce no faturamento do varejo geral também caiu, passando de 2,5% para 2%.

Ficou bravo

O secretário da Fazenda do município, Levi Gomes, ficou chateado com uma matéria publicada pelo Marília Notícia, sobre a arrecadação da Prefeitura nos últimos meses. “Eu nunca fiquei com choradeira com relação a receita, sempre disse e continuo afirmando que não são suficientes para cobrir as despesas e as dívidas assumidas pela gestão passada. Aliás esquecia-se de mencionar as dívidas da saúde e da limpeza pública. Portanto quando se faz uma análise tem que obrigatoriamente verificar despesas versus receitas. Isto vocês não fizeram”, disse Levi. Em tempo: o secretário só reclamou depois que saiu a matéria, a reportagem tentou inúmeras vezes falar com ele antes. Tudo bem, ele tem crédito (ainda).

‘Lunático’

O vereador José Luiz Queiroz (de novo ele), propôs um debate em sua página no Facebook, para ouvir diversas opiniões sobre o Daem virar ou não secretaria. Entre os muitos comentários estava o de Rabih Nemer, que dirigiu a Emdurb por menos de um mês. Nemer defendeu que o Daem vire secretaria e explicou seus motivos, mas o que chamou a atenção foi um comentário no final de sua postagem. O advogado disse que a Emdurb, como o Daem, é uma empresa falida e que ele queria mesmo era assumir a secretaria da Assistência Social no começo do governo de Daniel. “Mas por imposição do atual presidente da Câmara Municipal, o Delegado Damasceno, foi nomeada a Sra. Wania Lombardi”.

‘Lunático’ 2

“O prefeito mesmo sabendo da situação precária me nomeou presidente da Emdurb”, disse Nemer. O ex-comandante da autarquia disse ainda, “eu tive que deixar de ser presidente por ser uma pessoa ética e lúcida. Somente um lunático permaneceria na direção de um barco furado”. É essa sua visão de prestar um serviço público seu Rabih? Não concordo. Achou que teria dinheiro em caixa e tudo lindo para o senhor trabalhar? Achou que não ia ter problema para resolver? A verdade, na minha opinnião, é que quando o senhor percebeu que haviam muitos problemas para dar conta, pediu arrego. Ainda bem que o senhor saiu. Fez um bem para os marilienses. Não adianta só reclamar, é preciso achar soluções.