Desde 2014, mais de 35000 artigos.
,/2019

Velha guarda do hip-hop é destaque na Biblioteca Municipal

Cidade
12 de junho de 2019

DJ Ciro Rirais participará da programação durante ‘Semana do Hip-Hop’ em Marília (Foto: Divulgação)

A Prefeitura de Marília, por meio da Secretaria Municipal da Cultura, em parceria com Coletivos de Marília, realiza nesta quinta-feira (13), às 19h, a abertura da exposição “Memória do Hip-Hop”, com homenagens a representantes do segmento e que fizeram história ou possuem uma trajetória de compromisso com a cultura.

A exposição acontece na Biblioteca Municipal, situada na rua São Luiz, 1295, como parte da programação da “1ª Semana do Hip-Hop de Marília”, e segue aberta até dia 28 de junho.

A programação conta com sarau de poesias marginais, DJ Ciro Rirais, homenagens e pocket show com a rapper Lirica, com projeto solo valorizando a presença da mulher na cultura hip-hop.

Conforme a Prefeitura, o hip-hop é um fenômeno cultural de identidade afro, que possui muita riqueza, e seus fundadores no Brasil atuam de forma consciente e militante, mantendo viva esta cultura que possui vertentes do samba de partido-alto, funk de James Brown e até mesmo o funk das periferias brasileiras.

O hip-hop ocupa diversos espaços nas políticas públicas, projetos de lei para se transformar em Patrimônio Cultural de SP e presente nas universidades.

Durante o evento serão homenageadas dez pessoas, entre artistas e gestores, homens e mulheres, sendo um reconhecimento organizado pela Secretaria da Cultura, a essas pessoas que guardam a memória valorização da cultura hip-hop.

Um dos destaques entre homenageados são representantes do grupo de rap “Comando Verbal”, grupo de mcs marilienses que fizeram muito sucesso nos anos 2000, um dos primeiros do interior paulista a terem álbum disco vinil com a música de grande sucesso de público o “Álbum de fotos”.

O DJ Ciro Rirais também será um dos homenageados, conhecido por sua atuação musical como DJ referencia na cidade e que segue a tradição da cultura.

Ciro também cedeu parte do seu acervo de vinis para a exposição, com raridades de artistas da década de 70 aos anos 2000, que contribuíram e impulsionaram a cultura hip-hop no Brasil e no mundo.