Desde 2014, mais de 60000 artigos.
,/2021

Tudo o que você precisa saber sobre turismo espacial

Tecnologia
20 de julho de 2021

Desde que Richard Branson conseguiu o feito de ser o primeiro homem não astronauta a ir para o espaço no domingo 11, o turismo espacial tornou-se realidade — ao menos para quem pode pagar.

A Virgin Galactic, empresa de Branson que passou os últimos anos estudando como transformar as viagens para fora da Terra uma realidade, promete começar a levar passageiros para uma voltinha já em 2022. Mas as passagens, é claro, estão esgotadas, apesar de terem sido vendidas por módicos US$ 250 mil. A rival Blue Origin pretende levar o fundador da empresa, Jeff Bezos, para o espaço na terça-feira, 20.

Abaixo, leia as perguntas e respostas mais conhecidas no ramo do turismo espacial.

Quem pode ir ao espaço?

Praticamente todo mundo. Pelo menos, qualquer um que tenha condições de pagar.

A Blue Origin disse que os viajantes são capazes de suportar três vezes mais a força de gravidade por dois minutos na subida e cinco vezes e meia por alguns segundos na descida. Os participantes precisam medir entre 1,52 metro e 1,95 m, e pesar entre 50 e 101 quilos.

Durante os sorteios por um assento no voo na SpaceX destinados a arrecadar dinheiro para o Hospital Infantil de Pesquisa de St. Jude, os organizadores disseram que os participantes devem pesar menos de 113,4 quilos, medir menos de 2 metros e estar “física e psicologicamente preparados para o treinamento”.

Segundo Elon Musk, fundador da SpaceX, a maioria das pessoas poderia voar na espaçonave Dragon. “Se você aguenta ir em uma montanha russa, deveria estar em condições de voar no Dragon”, disse recentemente.

O site da Virgin Galactic não faz nenhuma exigência física para os seus futuros astronautas. “Nós prepararemos completamente cada astronauta, de acordo com um programa de check-ups médicos e treinamento adequado a cada um”, promete.

Quanto custa uma passagem para o espaço?

Depende. Voar até a Estação Espacial Internacional por uma semana em um voo autorizado pela Axiom Space custa US$ 55 milhões por pessoa. Parte da quantia vai para a NASA, que segundo as novas diretrizes referentes ao preço privado para astronautas cobra US$ 10 milhões por semana para astronautas particulares pelo tempo da tripulação, planejamento da missão e comunicações. Também cobra outras tarifas menores, como US$ 2 mil por dia por pessoa para a alimentação.

A Virgin Galactic, a companhia espacial de Richard Branson, cobrava US$ 250 mil para voos suborbitais em que os passageiros experimentam alguns minutos de microgavidade antes de cair na Terra na volta. Mas quando as vendas de passagens reabrirem este ano, a companhia avisou que o custo aumentará. Não especificou qual será o novo preço, mas os analistas calcularam que será perto de US$ 500 mil.

A Bue Origin, de Jeff Bezos, não anunciou os preços dos assentos em sua espaçonave suborbital New Shepard. Mas o leilão para um assento no voo de terça terminou com lance final de US$ 28 milhões.

Que tipo de treinamento é exigido para ir ao espaço?
O treinamento para os voos espaciais suborbitais não se assemelha ao dos astronautas da NASA. A Blue Origin anuncia em seu site que o treinamento para os seus voos dura apenas um dia. “No dia antes do lançamento você aprenderá tudo o que deve saber para ter a sua experiência de astronauta”. O treinamento “inclui visões globais da missão e do veículo, informações completas sobre segurança, simulação da missão e instruções quanto às suas atividades durante o voo, como procedimentos operacionais, comunicações e manobras em um ambiente de microgravidade”.

A Virgin Galactic disse que o seu objetivo é oferecer aos seus futuros astronautas “uma jornada incomparavelmente segura e acessível ao espaço sem a necessidade de experiência ou treinamento e preparação anteriores”. O treinamento durará três dias no Spaceport America no Novo México, onde os passageiros “passarão por uma triagem médica e pelo processo de preparação para o voo, como treinamento para o uso dos sistemas de comunicação, protocolos de voo, procedimentos de emergência e treinamento com a força-G.”

Eles aprenderão “a sair dos seus assentos e experimentar a microgravidade, flutuando pela cabine e posicionar-se em uma das muitas janelas laterais da cabine e no topo. Depois de sentir por vários minutos a falta de gravidade, os nossos astronautas manobrarão de volta aos seus assentos a fim de se prepararem para a reentrada e a jornada de volta para a atmosfera terrestre”.

Ao longo dos anos, a Virgin Galactic criou uma comunidade de candidatos a astronautas que fizeram treinamento em coordenação com a Virgin Galactic voando em voos parabólicos com “Zero-G” e indo para uma centrífuga para ajudá-los a se a adaptarem a forças de gravidade cada vez maiores.

A Axiom Space, que oferece uma missão muito mais ambiciosa de uma semana na Estação Espacial Internacional, tem um currículo de treinamento que dura 17 semanas em instalações administradas pela NASA e pelas agências espaciais japonesa e europeia. “O treinamento prepara o participante como um astronauta, desenvolve uma profunda camaradagem com os colegas astronautas, e torna a pessoa um membro de uma exclusiva família de viajantes do espaço”.

Os passageiros treinarão juntamente com o comandante da missão. A Axiom disse que os ex-astronautas da Nasa Michael Lopez-Alegria e Peggy Whitson comandarão as duas primeiras missões.

O turismo espacial é uma coisa nova?

Vários civis já foram ao espaço. Nos anos 2000, a Rússia fez oito missões para a Estação Espacial Internacional com abastados cidadãos particulares, como Dennis Tito, Charles Simonyi e Anousheh Ansari a bordo. Em 2004, Mike Melvill e Brian Binnie voaram até as fronteiras do espaço a bordo da SpaceShipOne, o primeiro veículo comercial a chegar ao espaço e predecessor da espaçonave atualmente usada pela Virgin Galactic.

Nos anos 1980, dois membros do Congresso também voaram, o senador Jake Garn, republicano por Utah, e o deputado Bill Nelson, democrata da Flórida, que posteriormente foi senador e atualmente ocupa o cargo de administrador da Nasa. Os custos dos dois passageiros foram arcados pela NASA.