Desde 2014, mais de 71000 artigos.
,/2022

Região de Marília avalia 250 pacientes para o Mutirão de Cirurgias

Regional
06 de agosto de 2022

Em evento realizado ontem, o governador Rodrigo Garcia (PSDB) falou sobre a mega ação que ocorre hoje para a realização de 7,5 mil consultas de avaliação pré-operatórias para o Mutirão de Cirurgias. Na região de Marília, serão 250 pacientes avaliados nos AME de Tupã e no Hospital das Clínicas de Marília.

A mobilização ocorre em todo o Estado, com pacientes agendados pelos municípios. “Estamos iniciando a megaoperação de avaliação pré-operatória. Essa ação faz parte do Mutirão de Cirurgias que está sendo feito em todo o Estado de São Paulo e na capital. Nós temos como objetivo todos os sábados nos AMEs do Estado poder fazer agendas de pré-consultas antes das cirurgias para que as pessoas possam ser avaliadas”, disse Rodrigo Garcia.

O objetivo é acelerar a fila de cirurgias acumulada durante o período da pandemia, quando os leitos foram priorizados para o atendimento da Covid-19. A ação ocorrerá em 22 hospitais e 41 AMEs e envolverá mais de mil profissionais de saúde que estarão exclusivamente nestas unidades durante o sábado para a realização destas avaliações.

“É uma mobilização em todas as regiões do Estado e que vai agilizar a realização das cirurgias dos pacientes do Mutirão. Esta ação é fundamental, pois este é um passo importante e obrigatório para a realização das cirurgias”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

A ação também conta com a parceria do Hospital São Paulo, que disponibilizará uma equipe itinerante de médicos para a realização destas consultas pré-operatórias em todo o Estado.

HC/FAMEMA

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Marília (HC/Famema) integra uma grande força tarefa estadual para a avaliação cirúrgica de pacientes que aguardam pelo procedimento via SUS.

A primeira ação ocorre neste sábado (6) com o recebimento de grupos vindos das cinco microrregiões que atendemos (Marília, Tupã, Assis, Adamantina e Ourinhos), que foram acionados pelo Departamento Regional de Saúde (DRS-IX).

É neste momento que os médicos irão acolher o paciente, realizar exames físicos, análise do histórico de saúde e conferência de exames já realizados. Essa população uma vez avaliada será enquadrada em uma das três situações: 1) recebe alta e a cirurgia não se faz mais necessária; 2) encaminhamento para a cirurgia dentro da regional de saúde; 3) paciente deve refazer os seus exames e é redirecionado para a atenção básica.

Na região de Marília, são 43.981 pacientes na fila por cirurgia.