Desde 2014, mais de 47000 artigos.
,/2020

Covid-19: Prefeitura vai atrasar pagamento dos servidores

Cidade
04 de maio de 2020

Levi afirmou que Prefeitura gasta em média R$ 20 milhões por mês com salários e Ipremm; caixa atual possui cerca de R$ 8 milhões (Foto: Leonardo Moreno/Marília Notícia)

Sem dinheiro em caixa suficiente para quitar na íntegra a folha de pagamento dos servidores municipais em abril, a Prefeitura de Marília deve escalonar o depósito dos salários do funcionalismo público.

A informação foi confirmada ao Marília Notícia pelo secretário da Fazenda, Levi Gomes, nesta segunda-feira (4). Ele acredita que todos os servidores devem receber seus vencimentos até o dia 20 de maio.

A situação também deve afetar os aposentados e pensionistas, já que a Prefeitura precisa todos os meses cobrir parte da folha do Instituto de Previdência do Município de Marília (Ipremm).

“Nossa folha de pagamento custa aproximadamente R$ 14 milhões por mês. Junto com a cobertura do Ipremm, fica ao todo em uns R$ 20 milhões. Hoje só temos em caixa na Prefeitura R$ 8 milhões”, afirmou Levi.

O secretário da Fazenda afirmou ainda não saber o que será feito para resolver a situação nos próximos meses.  Normalmente o município paga seus funcionários até o quinto dia útil, que este mês cai na próxima sexta-feira (8).

Em sessão extraordinária na Câmara de Marília, realizada nesta manhã, o vereador Marcos Rezende (PSD) afirmou que já em abril parte dos fornecedores da administração municipal não deve receber em dia, levando em conta o fato que o governo de Daniel Alonso (PSDB) dará preferência ao pagamento de servidores.

Segundo Rezende, presidente do Legislativo, para maio não está garantido sequer o pagamento do salário do funcionalismo municipal. Essas informações também foram confirmadas por Levi, que vem alertando há semanas sobre o problema.

O MN vem divulgando o agravamento da situação nas contas da Prefeitura com a queda na arrecadação devido à redução da atividade econômica após os decretos que impuseram o afastamento social – e o fechamento físico de comércios e serviços não essenciais.

Na semana passada o site mostrou, por exemplo, que em março houve queda de 32% no valor do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), uma das principais fontes de recursos para a cidade.

Presidente da Câmara, Marcos Rezende (PSD) – (Foto: Divulgação)