Desde 2014, mais de 62000 artigos.
,/2021

Câncer de pele: saiba como identificar a doença que já atingiu diversos famosos

Coluna
31 de julho de 2021

Dr. Levy Figueiredo é médico-cirurgião especialista em cabeça e pescoço (Foto: Divulgação)

Estudos científicos mostram que, até 2030, o câncer será a principal causa de morte evitável entre a população. Além do diagnóstico precoce, é preciso conhecer os diferentes tipos de tumores, para que com isso, possamos salvar milhares de vidas.

Na coluna desta semana, nós vamos falar sobre o câncer de pele, doença que já atingiu famosos como Ana Maria Braga, Marília Gabriela, Bárbara Evans e até mesmo Hugh Jackman, que dá vida ao icônico personagem Wolverine em a saga de X-Men.

A região mais afetada é, consequentemente, a mais exposta aos raios solares: cabeça e pescoço.

A incidência no Brasil é estimada em mais de 110 mil casos novos por ano, com aumento gradual no sexo feminino. O risco estimado é de 61 casos novos a cada 100.000 mulheres.

Os fatores de risco incluem:

  • exposição prolongada e repetida ao sol (raios ultravioletas – UV), principalmente na infância e adolescência;
  • ter pele e olhos claros, com cabelos ruivos ou loiros, ou ser albino;
  • ter histórico familiar ou pessoal de câncer de pele;
  • pessoas com sistema imune debilitado e exposição à radiação artificial.

Alguns cuidados podem ser tomados para evitar o aparecimento do carcinoma, como:

  • evitar exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h;
  • uso de proteção adequada, como roupas, bonés ou chapéus de abas largas, óculos escuros com proteção UV, sombrinhas e barracas;
  • aplicar na pele, antes de se expor ao sol, filtro (protetor) solar com fator de proteção 15, no mínimo;
  • uso de filtro solar próprio para os lábios.

Alguns dos principais sintomas da doença podem ser identificados através de:

  • manchas na pele que coçam, ardem, descamam ou sangram;
  • feridas que não cicatrizam em até quatro semanas.

A detecção precoce ainda é a melhor estratégia para possibilitar ao paciente uma maior chance de tratamento. Assim, a fase inicial da doença pode ser diagnosticada por meio da investigação com exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos em pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença ou ainda com exames periódicos em pessoas sem sinais ou sintomas, mas que pertencem a grupos com maior chance de ter a doença.

Mais Informações podem ser obtidas no CIOF do Hospital Beneficente Unimar, através dos telefones (14) 3306-2979 e (14) 2105-4697 ou no Instituto Multidisciplinar de Marília (INMULTI), pelo telefone (14) 3433-6198.

Até a próxima!

*

Dr. Levy Figueiredo é médico-cirurgião especialista em cabeça e pescoço (CRM-SP 156210/RQE 81592)