Desde 2014, mais de 40000 artigos.
,/2019

Delegado do caso Tassara fala com exclusividade ao MN

Polícia
03 de outubro de 2019

Dentista foi esfaqueado em 23 de agosto (Foto: Arquivo Pessoal)

O procedimento que foi instaurado para apurar o assassinato do dentista Aloísio Tassara, de 51 anos, foi concluído pela Polícia Civil nesta quarta-feira (2) em Marília. A filha da vítima, de 17 anos, é apontada como autora do crime.

Foram ouvidas 19 pessoas e somente na última terça-feira (1) a jovem prestou depoimento ao delegado Valdir Tramontini, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG). O depoimento aconteceu no Hospital das Clínicas, onde ela está internada por ordem judicial, e demorou pouco mais de uma hora.

“Ela relatou todos os fatos, afirmou que se recordava de todos eles e falou de forma detalhada o que teria ocorrido. Eu já recebi os laudos médicos, os laudos de exame de corpo delito, o laudo pericial local e esse procedimento que envolve a adolescente. Encaminhei o relatório ontem (2) para a Vara da Infância e Juventude informando o que até então foi apurado. O procedimento agora está com vistas ao Ministério Público para decisão. Estamos no aguardo de qual a medida ele [MP] vai tomar”, disse o delegado em entrevista ao Marília Notícia.

O advogado de defesa da adolescente afirmou que o caso é uma tragédia familiar e que a menina já vinha passando por problemas de ordem psiquiátrica. Inclusive passaria por uma consulta médica na data dos fatos.

“Eu afirmo que a própria declaração do Delegado Seccional, lá no primeiro dia, é o que realmente aconteceu. E reafirmo que foi uma tragédia familiar. Ela já vinha passando por alguns problemas de ordem psiquiátrica. Inclusive no dia dos fatos, estava com uma consulta pré-agendada com um profissional. Ela vinha fazendo acompanhamento com um e ia consultar outro. Infelizmente aconteceu isso. Ela está abatida por toda essa situação. Ainda está internada, não existe uma previsão de alta. Foi realmente um surto”, disse o advogado Fábio Ricardo Rodrigues dos Santos.

A Polícia Civil sugeriu exame de sanidade mental para a jovem. “Isso vai influenciar numa eventual aplicação de medida. Se estava plenamente capaz, sabia o que estava fazendo e não estava surtada, provavelmente vai para a Fundação Casa. No caso dela ser totalmente ou relativamente incapaz, pode ser aplicada uma medida de segurança para tratamento ambulatorial ou internação em unidade de tratamento psiquiátrico”, explicou o delegado.

“No início das investigações surgiram comentários de eventual participação de terceiros. Em virtude disso, por cautela, logo no início instaurei um outro procedimento apartado para apurar eventual participação de outras pessoas. Até o presente momento não há nada nesse sentido. Esse outro procedimento aguarda alguns laudos que foram enviados para São Paulo”, disse Tramontini.

O depoimento da jovem foi filmado e encaminhado para o promotor responsável pelo caso, que agora irá decidir qual medida deve ser tomada. O advogado da jovem disse que “ela vai ser ouvida novamente pelo promotor de Justiça, já numa seara judicial, mas não existe data para isso ainda”.

Dinheiro

Tanto o delegado quando o advogado da família afirmaram que o dinheiro encontrado com o dentista na data do crime não tinha ligação com os fatos.

“O dinheiro era de origem lícita, fruto do trabalho dele. Ele já tinha essa tática de estar com dinheiro. Estava com alguns problemas financeiros, mas não tem nada de ilícito nessa situação”, disse o advogado.

“Ele há mais de ano andava com esse dinheiro para cima e para baixo. Era uma coisa costumeira dele. Inclusive ele tinha uma pochete. Um fato que era de conhecimento de toda a família e até de funcionárias de seu consultório. O dinheiro não tem nada a ver com o que aconteceu na casa. A priori seria desencadeado por um surto psicótico da menina”, explicou o delegado.

Entenda

Segundo as informações divulgadas pela Polícia Militar no dia do crime (23 de agosto), a adolescente teria problemas psiquiátricos e durante um surto na madrugada, pegou uma faca e desferiu um golpe no peito do próprio pai, que estava tentando contê-la.

O Samu foi acionado, mas ao chegar ao endereço nada pôde fazer, constatando apenas o óbito. Ao lado do corpo estava a faca usada pela adolescente.

MN apurou que a primeira equipe da PM a chegar no local, encontrou a esposa da vítima desesperada, gritando por socorro e pedindo aos policiais que salvassem seu marido.

A garota foi encontrada pelos militares no telhado da vizinha, agarrada na chaminé, com outra faca na mão. Após muita conversa, os policiais teriam conseguido fazer com que ela descesse do local.

Ainda de acordo com o apurado pela reportagem, a jovem estava mentalmente desequilibrada e foi levada sedada até o Hospital das Clínicas, onde passou por atendimento médico e não tem previsão de alta.

A perícia foi acionada, sendo que apreenderam a faca encontrada ao lado do corpo com sangue e localizaram também no bolso da vítima a quantia de R$ 2.154,85 e na cueca R$ 16.550,00.

A jovem foi ouvida na última terça, no Hospital das Clínicas, onde permanece internada na ala psiquiátrica. Conforme o apurado ela estava acompanhada pela mãe, o advogado e médicas.

A adolescente deveria ter sido ouvida no último dia 25 de setembro pelo delegado e pela Promotoria da Infância e Juventude, porém momentos antes de falar, entrou em crise psiquiátrica e o depoimento acabou adiado.

A viúva do dentista já havia prestado depoimento na Polícia Civil no final de agosto. Câmeras de segurança também foram analisadas.

A equipe do site também apurou que durante o velório do dentista, uma equipe da Polícia Científica esteve no local, pouco antes do sepultamento, para coleta de material genético do corpo.