Desde 2014, mais de 71000 artigos.
,/2022

PM captura procurado por furto e extorsão

Polícia
09 de junho de 2022

Um homem identificado como David José da Silva de 52 anos foi capturado pela Polícia Militar nesta quarta-feira (8), no bairro Cascata, zona Leste de Marília.

Os militares faziam patrulhamento às 18h38, na avenida Vicente Ferreira, quando viram o homem em frente ao próprio salão.

Os policiais já tinha conhecimento de um mandado de prisão expedido contra ele pela 3ª Vara Criminal, por furto (artigo 155) e extorsão (artigo 158).

Segundo o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), em 24 de março de 2017, 22 de novembro do mesmo ano e 20 de agosto de 2018, o acusado subtraiu – mediante abuso de confiança – R$ 19,5 mil de uma idosa de 69 anos. Na época, vítima e acusado namoravam.

Consta ainda que, no período, Silva teria usado de violência e ameaça para constranger a mulher a pagar os aluguéis de imóveis usados por ele.

De acordo com a Promotoria, o acusado e a idosa tiveram um relacionamento de três anos. O homem se aproveitou da confiança da vítima e subtraiu R$ 19,5 mil da conta corrente dela.

Em 24 de março de 2017, Silva teria feito uma transferência eletrônica de R$ 12 mil para a própria conta; em 22 de novembro de 2017, realizou três transações de compra, com pagamento por débito em conta, no valor total de R$ 5,5 mil, com crédito em seu favor; e, em 20 de agosto de 2018, o acusado realizou duas transações de compra a débito em conta no valor total de R$ 2 mil, cujo beneficiário foi ele próprio.

O homem, então, teria passado a exigir que a vítima desse dinheiro a ele para pagar o aluguel de uma residência e de um salão que eram usados por ele, sob ameaça de agressão e de danos patrimoniais.

Em algumas das ocasiões, o acusado teria chegado a efetivamente agredir a vítima e a danificar objetos da residência dela.

Em razão das agressões e das ameaças, a mulher entregou ao acusado dez cheques que foram utilizados para pagamento de aluguéis.

O homem foi preso e encaminhado até a Central de Polícia Judiciária (CPJ) e seria recolhido a uma unidade prisional.