Desde 2014, mais de 41000 artigos.
,/2019

Marília se recupera em índice de oportunidade da educação

Cidade
02 de dezembro de 2019

(Reprodução)

Marília recuperou a nota 5,4 na edição deste ano do Índice de Oportunidades da Educação Brasileira (IOEB), divulgando recentemente, e voltou a ficar acima da média estadual (4,9), além da nacional (4,7).

Todas as pessoas têm as mesmas oportunidades de educação no Brasil? Essa é a pergunta que o estudo procura responder. E metade dos municípios estão aquém no oferecimento de oportunidades.

A primeira edição do IOEB foi divulgada em 2015, quando, assim como agora, Marília também tirou nota 5,4. Mas em 2017, na segunda edição do índice, houve um recuo para 5,2. Naquele ano a média paulista foi de 5,3 – acima da local.

Atualmente o IOEB se encontra em sua terceira edição e Marília tem um índice considerado alto, assim como todas as 2.379 cidades com nota igual ou superior a 4,7 (a mediana das notas municipais verificadas).

Marília, segundo os organizadores, atualmente apresenta “mais oportunidades educacionais e pouco avanço ao longo da série histórica”.

Isso porque agora a cidade obteve uma nota acima da mediana, mas não evoluiu em relação a 2015 (apenas se recuperou da queda de 2017, como dito).

Entenda

O IOEB engloba todas as redes educacionais do município e contempla todas as crianças e adolescentes em idade escolar, incluindo também quem está fora da escola e não deveria estar.

O índice combina informações de resultados, insumos e processos educacionais.

São levados em conta o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos iniciais do ensino fundamental; Ideb dos anos finais do ensino fundamental; e taxa líquida de matrícula do ensino médio.

Outros fatores considerados são a escolaridade dos professores; número médio de horas aula/dia; experiência dos diretores; e taxa de atendimento na educação infantil.

Hoje o IOEB é coordenado pela Comunidade Educativa CEDAC, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que trabalha desde 1997 pela melhoria das condições de aprendizagem nas redes públicas.