Desde 2014, mais de 51000 artigos.
,/2020

Marília: 5.258º no ranking de repasses per capita

Cidade
04 de outubro de 2016
marilia-aerea

Cidade foi ‘esquecida’ pelo Governo Federal

Marília ocupa em 2016 a posição 5.258 – entre os piores municípios do país – no ranking dos repasses de verbas federais per capita. Curiosamente, a mesma posição de 2015, mas 17 posições a frente de 2014 quando o município ficou em 5.275.

Os dados foram divulgados recentemente pelo ICMC (Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação) da USP de São Carlos e pela Universidade Federal do ABC. Eles podem ser acessados no portal Repasse.

De acordo com a pesquisa, os recursos que o município recebe divididos por habitantes resultam em R$ 687.

O levantamento aponta também que Marília recebeu entre janeiro e julho repasses de aproximadamente R$ 80 milhões.

São analisadas transferências do FPM (Fundo de Participação Municipal), cota-parte e incentivos financeiros.

COMPARAÇÃO

Bauru (100 quilômetros de Marília) ocupa a posição 5.496, ainda pior do que Marília e mais perto da última posição (5.568). Araçatuba (158 quilômetros), com cerca de 180 mil habitantes, aparece em 5.417.

Algumas cidades próximas de Marília, de menor porte, chamam a atenção por seu bom posicionamento: Borá, entre os menores municípios do Brasil – com aproximadamente mil habitantes aparece em 4º lugar no ranking.

O segundo caso é Oscar Bressane, em 303º lugar. Lá, por exemplo, o repasse per capita passa de R$ 2 mil.

2015

“O que você faria se soubesse que a cidade onde mora recebeu R$ 3,6 bilhões do governo federal para manter os serviços públicos funcionando durante um ano?” pergunta a apresentação da pesquisa.

O montante pode impressionar à primeira vista, mas será, de fato, um valor significativo quando pensamos na cidade de São Paulo?

Considerando-se que o município é o mais populoso do Brasil e dividindo esse montante pelo número de habitantes da cidade, é como se cada cidadão paulistano tivesse recebido apenas R$ 309,09 do Governo Federal durante 2015.

“Se morasse em Presidente Kennedy, município do Espírito Santo com apenas 11.221 habitantes, esse cidadão não poderia reclamar: teria recebido, no mesmo período, exatamente R$ 21.113,36, ou seja, 68 vezes o valor per capita (por pessoa) de São Paulo”, apontam os pesquisadores.

Isso acontece devido ao repasse dos royalties do petróleo na região. Não é à toa que a cidade capixaba ocupa a primeira colocação no ranking dos municípios que mais receberam recursos per capita do governo federal em 2015, enquanto São Paulo amarga a posição 5.510, quase um lanterninha no hall dos 5.568 municípios do Brasil.