Desde 2014, mais de 62000 artigos.
,/2021

‘Vivemos uma revolução no campo da vacina’, afirma Luciana Sgarbi

Cidade
23 de setembro de 2021

Infectologista Luciana Sgarbi (Foto: Leonardo Moreno/Marília Notícia)

Diante do enfrentamento à pandemia da Covid-19, a humanidade passa por uma transição histórica em relação à tecnologia utilizada para a produção de imunizantes, de acordo com a médica infectologista Luciana Sgarbi, referência na área em Marília e região.

A especialista diz respeito às vacinas produzidas contra a Covid, com base no material genético dos vírus – o chamado RNA mensageiro, como é o caso da Pfizer e da Moderna. A nova técnica, utilizada em larga escala pela primeira vez, é promissora por vários motivos.

Um deles é que abre-se a porta para o desenvolvimento de vacinas contra outras doenças infecciosas e de outras naturezas, inclusive neurológicas, explica Luciana.

Com o salto tecnológico, essa área da medicina – de certa forma – passa para um novo patamar, o da engenharia genética, que exige parques industriais menos complexos, já que dispensa a utilização do cultivo do vírus, além de gerar menos riscos.

Diferente das técnicas anteriores, não se torna obrigatória a utilização do vírus atenuado ou inativo – ou ainda a utilização de outro agente vivo como vetor, através de uma espécie de “cavalo de Troia”.

‘Vivemos uma revolução no campo da vacina”, afirma Luciana Sgarbi (Foto: Leonardo Moreno/Marília Notícia)

“Na Segunda Guerra Mundial ocorreu algo parecido com os antibióticos, que já eram conhecidos, mas até então não havia o uso massivo”, explica Luciana.

“Vivemos uma revolução no campo da vacina”, afirma a médica, que é professora universitária e faz uma defesa enfática da ciência e da academia livre de influências políticas e religiosas. “Assim como o Estado, a pesquisa científica precisa ser laica, livre de ideologias políticas”, alerta.

De acordo com a infectologista, tudo que é novo tem o potencial de assustar e provocar insegurança, mas não há motivo para isso. “É preciso confiar na ciência, na racionalidade que vem guiando a modernidade até aqui, e garantindo mais qualidade de vida e longevidade”.

Ainda assim, ao mesmo tempo em que a cobertura vacinal cresce e derruba os índices de mortalidade e internação por Covid-19, com quantidades ínfimas de efeitos adversos, o mundo vê crescer um sentimento irracional de desconfiança em relação à ciência.

Luciana lembra que toda vacina tem um determinado índice de falha, mas são os imunizantes que vêm garantindo, notadamente nas últimas décadas, o controle e até mesmo a extinção de doenças que assolaram as sociedades por séculos.

Infectologista alerta para a importância das vacinas (Foto: Leonardo Moreno/Marília Notícia)

“Nem o melhor goleiro do mundo pega todas as bolas, assim como nem o maior artilheiro acerta todos os pênaltis. No caso das vacinas, também cabem essas analogias, mas os índices e a realidade deixam nítido que a quantidade de vidas salvas é incontestável”, argumenta a infectologista.

A erradicação de doenças como a varíola e o controle da poliomielite – paralisia infantil – é um dos legados das vacinas. E, para frear o retorno de enfermidades como o sarampo e a coqueluche, que estavam controladas, é preciso garantir que a cobertura vacinal continue alta.

Diferente do paciente cardiopata, que faz um tratamento individualizado, no caso das doenças transmissíveis, se cuidar – ou seja, tomar a vacina – também representa um ato de cuidado com o outro. Só a partir de uma certa cobertura vacinal, algumas enfermidades podem ser controladas.

“Vacina é sinônimo de saúde e conta com embasamento científico. Significa que a tecnologia foi colocada à prova, submetida ao questionamento de outros pesquisadores exaustivamente. É preciso ter conhecimento disso e pensamento crítico, saber quais são as fontes das informações que estamos tendo acesso, se elas possuem ou não embasamento”, completa Luciana, que comanda atualmente a Sgarbi Vacinas, localizada na avenida das Esmeraldas, número 2.899, no Jardim Tangará, zona Leste de Marília.

Os telefones são o (14) 3433-2423, (14) 3433-0268 e WhatsApp (14) 98135-4871 [clique aqui para iniciar uma conversa].

O centro de vacinação também conta com as páginas facebook.com/sgarbivacinas  e @sgarbivacinas no Instagram.

Médica lembra tecnologia e ciência investidas nas vacinas (Foto: Leonardo Moreno/Marília Notícia)