Desde 2014, mais de 40000 artigos.
,/2019

Polícia Civil prende padre que atuava em Marília e mais dois por pedofilia

Polícia
10 de julho de 2019

Vídeos encontrados pela Polícia Civil em operação (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira (10) uma operação denominada ‘Querubim’ em todo o Deinter-4, que corresponde a 76 municípios da região de Bauru e Marília.

Desde o começo da manhã policiais civis realizaram busca e apreensão de materiais envolvendo exploração sexual infantil na internet.

Em Marília, a ação envolveu 20 policiais das Delegacias de Defesa da Mulher (DDM), Seccional e Investigações Gerais (DIG). Dois homens, que não tiveram seu nomes revelados, foram presos em flagrante por armazenar e compartilhar imagens de pornografia infantil.

A primeira prisão na cidade envolveu um homem de 30 anos que alegou ser estudante, morador do bairro Maracá, zona Norte.

O outro preso foi um eletricista de 51 anos, morador do bairro Cascata, zona Leste, que pagou a fiança e responderá o crime em liberdade – a fiança foi arbitrada porque a polícia não conseguiu identificar de imediato que, além de armazenar, ele também compartilhava o conteúdo.

Também foi detido em Tupã um padre, de 42 anos, que foi ordenado no ano passado. Ele era da cidade vizinha mas atuava em Marília.

O Marília Notícia apurou que se trata de Denismar Rodrigo André, que atua na paróquia Nossa Senhora de Fátima do Jóquei, zona Sul da cidade.

Alguns brinquedos e também material pornográfico, arquivados em um notebook e um pen drive, foram encontrados em duas casas ligadas ao padre.

Segundo a polícia ele não levava crianças para a casa, apenas arquivava imagens e vídeos.

Ele vai ser autuado em flagrante pelo artigo 241 (adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente) do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Segundo o delegado Marcos Mourão, chefe do Deinter-4, ao todo na região foram 15 alvos, dos quais 12 foram presos em flagrante. Nenhuma pessoa foi identificada oficialmente pela polícia até o momento.

Todos foram autuados nos artigos 240 (produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo criança ou adolescente) e 241-B do ECA.

A reportagem entrou em contato com a Igreja Católica para comentar a prisão do padre, que enviou uma nota assinada por Dom Luiz Antonio Cipolini, Bispo Diocesano de Marília. Veja abaixo na íntegra.

“Na manhã desta quarta-feira (10/07/2019), a Polícia Civil realizou a Operação “Querubim” cumprindo mandatos de busca e apreensão de arquivos com conteúdo que envolve exploração sexual de menores. Um dos mandatos foi executado na residência da família do Padre Denismar Rodrigo André, do clero da Diocese de Marília, que foi detido sob a acusação de acesso a material de pornografia infantil (Artigo 241-B do ECA) e levado à Delegacia para prestar esclarecimentos. Assim, com toda a população, especialmente os fiéis católicos, a Diocese de Marília está consternada com o ocorrido e informa que está à disposição da Polícia para ajudar nas investigações. Ressaltamos, ainda, que a Diocese de Marília não compactua com comportamentos que ferem o ministério sacerdotal e a dignidade humana, e espera o esclarecimento dos fatos. Por isso, o Padre Denismar já foi afastado “ad cautelam” de suas atividades clericais até que o inquérito Policial seja concluído. Manifestamos nossa solidariedade a todo o povo de Deus que, com o clero, se une neste momento em orações pelo esclarecimento da situação”.

Material pornográfico envolvendo crianças estava nos computadores dos presos (Foto: Divulgação)

Padre Denismar Rodrigo André foi preso pela Polícia Civil (Foto: Divulgação/Diocese de Marília)

Imagem divulgada pela polícia (Foto: Divulgação)

Dois homens foram presos em Marília. Um padre que atuava em Marília também foi detido, mas no momento do flagrante ele estava em Tupã (Foto: Divulgação)

Material apreendido na casa de um dos envolvidos (Foto: Divulgação)