Desde 2014, mais de 70000 artigos.
,/2022

Entenda a diferença entre exercício físico e atividade física

Coluna
03 de novembro de 2021

Você sabe que manter o corpo em movimento é extremamente importante?

Quando falamos em ter uma vida ativa e saudável, os termos atividade física e exercício físico vêm à nossa cabeça. E, embora tenham significados distintos, uma coisa é certa, tanto um quanto o outro traz benefícios à saúde física e mental.

Para entendermos um pouco melhor a diferença, independente de qual contexto, todos os dias chamamos uma atividade física de exercício físico como por exemplo, uma partida de futebol no fim de semana.

A atividade física envolve os movimentos do corpo sendo feitos intencionalmente, como limpar a casa, cuidar do jardim ou subir e descer escadas.

Pensando assim, a atividade física pode estar inserida no lazer e nas tarefas do cotidiano. Já o exercício físico é quando temos uma atividade física de forma planejada e estruturada voltada para o objetivo de melhorar ou manter a performance física, por exemplo: desenvolver força, manutenção muscular, equilíbrio, flexibilidade e mobilidade.

Já diz o ditado, “todo exercício físico é uma atividade física, mas nem toda atividade física é um exercício físico”. O ideal é planejar uma rotina de exercícios físicos, que se enquadre no seu cotidiano.

Quando falamos em planejamento de treino, temos que levar em consideração e respeitar as fases de desenvolvimento do ser humano, como: aprendizagem motora e cognição e assim subdividir em fases para conseguir organizar um trabalho de desenvolvimento progressivo.

Convertendo isso na realidade de cada faixa etária e suas respectivas necessidades, fica coerente guiarmos a prescrição considerando os seguintes fatores:

Crianças e jovens: cinco a 18 anos –  É uma fase delicada e muito importante, quando o mesmo está em constante aprendizado e desenvolvimento motor, cognitivo ou afetivo.

Em relação ao jovem, a fase de desenvolvimento será tudo aquilo que foi aprendido quando criança, isso é, quanto mais vivência maior será seu repertório motor.

Adultos – Esta fase pode ser considerada “uma vilã”. Cada vez mais temos menos tempo para nos cuidar. Somado a isso, o corpo já começa a entrar em declínio. Sem termos uma rotina de exercícios físicos adequada, alguns processos como a perda de mobilidade, perda de tônus e o declínio da coordenação aceleram o processo que irá dar início às dores, lesões e maus hábitos.

Idosos – É uma fase que temos uma queda brusca no sistema cognitivo e motor.

Se tais sistemas não forem estimulados corretamente, a perda de massa muscular e densidade óssea acometem com grande impacto a saúde desse faixa etária, desenvolvendo doenças metabólicas que geram perda de autonomia do idoso e que prejudicam seu dia a dia.

Vale ressaltar que a recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta que as pessoas devem praticar 150 minutos semanais de atividade física moderada ou pelo menos 75 minutos de atividade física de maior intensidade por semana.

Procure um profissional de educação física, mantenha-se ativo e desenvolva bons hábitos.

***

Arian Lima é profissional de Educação Física e coach level 1 da CrossFit

Quer receber notícias no seu WhatsApp? Clique aqui!  Estamos no Telegram também, entre aqui.