Desde 2014, mais de 50000 artigos.
,/2020

Confeiteira relata humilhação na web e ganha vaquinha

Cidade
06 de agosto de 2020
  1. Print da conversa com cliente; Ângela chora ao relatar humilhação (Foto: Redes Sociais)

    Aconteceu de novo. Um desabafo em rede social, após grosseria de uma cliente, agitou a web e foi parar em um site de histórias de superação e “vaquinha virtual”. O caso envolve uma moradora de Marília que ganha a vida na cozinha, na labuta para sustentar a família.

A história é bem parecida com a de José Rafael Marciano, 32 anos, o salgadeiro que após ser humilhado por um cliente em Marília arrecadou mais de R$ 100 mil no mesmo site. Mas o resultado, ainda está distante.

Ângela, da “Delícias da Tata”, com os filhos de sete e quatro anos (Foto: Arquivo Pessoal/Redes Sociais)

Dessa vez aconteceu com a confeiteira Ângela Oliveira, de 27 anos, que desde o início da pandemia trabalha com encomendas de bolos.

Desempregada, ela iniciou a atividade para sustentar os dois filhos de sete e quatro anos. As redes sociais são a principal vitrine, onde ela posta fotos das delícias e tenta promover a marca que criou: Delícias da Tata.

Ângela compartilhou nas redes sociais a mensagem de uma cliente, que cancelou o pedido de um bolo de pote, em um domingo à noite, após ser informada de uma taxa de cobrança de R$ 2.

Troca de mensagem com cliente (Foto: Arquivo Pessoal/Redes Sociais)

Na troca de mensagens por aplicativo de mensagens, a mulher chama Ângela de “louca”, insinua que ela não deveria cobrar por estar começando na atividade comercial e diz que ela “não conseguirá nada da vida dessa maneira”.

A confeiteira desabafou. “Isso me machucou demais, chorei muito, fui forte pelos meus filhos, eles precisam de mim. Amo fazer bolos, mas essas palavras me feriram e me doem muito ainda”, lamentou Ângela.

A história dela, que gerou a vaquinha na internet, está publicada no mesmo site que repercutiu o relato de Rafael. A meta para Ângela é manter os aluguéis em dia (R$ 650 mensais), as despesas da casa e dos filhos durante a pandemia.

Troca de mensagem com cliente (Foto: Arquivo Pessoal/Redes Sociais)

Com a arrecadação da internet, ela também pretende investir no seu negócio, comprando ingredientes e materiais como batedeira, liquidificador, forno, formas, entre outros.

A campanha (clique aqui para ajudar) tem meta de meta R$ 25 mil e levantou R$ 3.985, doados por 81 pessoas. A vaquinha deve ficar no ar, segundo o site, mais 18 dias.

Troca de mensagem com cliente (Foto: Arquivo Pessoal/Redes Sociais)

Ângela faz bolos há quatro meses para sobreviver e sustentar os filhos (Foto: Arquivo Pessoal/Redes Sociais)